O atendimento em saúde a travestis e transexuais: revisão sistemática de literatura (2008-2017)

Resumo

O objetivo deste artigo foi realizar uma revisão sistemática da literatura acerca do acesso por serviços de saúde pelo grupo de travestis, transexuais. A revisão considerou os artigos publicados nas bases de dados: BIREME, LILACS e SCIELO, no período de 2008 até 2017, utilizando as palavras-chave: transexualidade, vulnerabilidade e Travestis, com combinações com discriminação em serviços de saúde, publicados em português, inglês e espanhol. Após a longa leitura foram selecionados 24 artigos para contemplar o artigo final. Os resultados indicaram o maior destaque para a temática em relação às travestis, transexuais foi no ano de 2012 e 2015. Destacando os relatos de dificuldade no acesso aos serviços de saúde, devido à discriminação sofrida por parte de alguns dos profissionais. Portanto, conclui-se que existe a necessidade de um atendimento humanizado para que seja erradicado os atos discriminatórios, tanto no Sistema Único de Saúde (SUS), como no privado.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Enfermeira, formada pela Universidade Católica de Santos – UNISANTOS. Linha de pesquisa: Grupo de estudos Interdisciplinar sobre Saúde e Sexualidade na perspectiva do quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos (GEISPEQ).
##submission.authorWithAffiliation##
Doutorando em Saúde Coletiva pela Universidade Católica de Santos – UNISANTOS, Mestre em Biotecnologia pela Universidade de Mogi das Cruzes – UMC. Trabalha na temática LGBT e políticas públicas.   Linha de pesquisa: Grupo de estudos Interdisciplinar sobre Saúde e Sexualidade na perspectiva do quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos (GEISPEQ).
##submission.authorWithAffiliation##
Doutora em Saúde Pública pela Universidade de São Paulo – USP, Docente do programa stricto sensu em Saúde Coletiva na Universidade Católica de Santos – UNISANTOS. Linha de pesquisa: Grupo de estudos Interdisciplinar sobre Saúde e Sexualidade na perspectiva do quadro da Vulnerabilidade e dos Direitos Humanos (GEISPEQ).  

Referências

ALMEIDA, G.; MURTA, D. Reflexões sobre a possibilidade da despatologização da transexualidade e a necessidade da assistência integral à saúde de transexuais no Brasil. Revista Latino Americana- Sexualidad, Salud y Sociedad. N.14, p.380-‐407, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872013000200017 >. Acessado em 18 jun.2017.

ARÁN, M.; MURTA, D.; LIONÇO, T. Transexualidade e saúde pública no Brasil. Revista Ciência Saúde Coletiva. v.14, n.4, p. 1141-1149, 2009.
ARÁN, M.; MURTA, D. Do diagnóstico de transtorno de identidade de gênero às redescrições da experiência da transexualidade: uma reflexão sobre gênero, tecnologia e saúde. Physis [online]. v.19, n.1, p.15- 41, 2009. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0103-73312009000100003 >. Acessado em 17 jun.2017.
AMORIM, S.M.G.; VIEIRA, F.S.; BRANCALEONI, A.P. Percepções acerca da condição de vida e vulnerabilidade à saúde de travestis. Revista de Saúde em Debate. v.37, n.98, p. 525- 535, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102006005000038. >. Acessado em 16 jun.2017.

ANGONESE, M.; LAGO, M.C. de Direitos e saúde reprodutiva para a população de travestis e transexuais: abjeção e esterilidade simbólica. Saude soc., São Paulo, v. 26, n. 1, p. 256-270, Mar. 2017. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/s010412902017157712. >. Acessado em 15 jun.2017.

BRASIL. Política Nacional de Promoção da Saúde. 3. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2010.


BRASIL. Carta dos direitos dos usuários da saúde / Ministério da Saúde. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.

BRASIL. Política Nacional de Saúde Integral para Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais.1. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2013.


BRASIL. Portaria Nº675/GM de 30 de março de 2006. Disponível em < http://www.saude.mt.gov.br/cosat/arquivo/1819/gestao-da-saude-do-trabalhador >. Acessado em 03 out.2015.

BORBA, R. Interconexões entre Linguística Aplicada e práticas de atenção à saúde: linguagem e Identidades na prevenção de DSTs/aids entre travestis profissionais do sexo. Revista de Saúde Coletiva. n.21, p.1369-1400, 2011. Disponível em: . Acessado em 18 jun.2017.

CARVALHO, M.; CARRARA, S. Em direito a um futuro trans?: contribuição para a história do movimento de travestis e transexuais no Brasil. Sex., Salud Soc. (Rio J.). n.14, p.319-35, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872013000200015 >. Acessado em 17 jun.2017.

CARDOSO, M.R.; FERRO, L.F. Saúde e População LGBT: Demandas e Especificidades em Questão. Revista Ciência e Profissão. v.32, n.3, p.552-53, 2012. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000300003 >. Acessado em 16 jun.2017.

FREIRE, E.C. et al. A clínica em movimento na saúde de TTTS: caminho para materialização do SUS entre travestis, transexuais e transgêneros. Saúde em Debate. v.37, n.98, p. 477-484, 2013. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0103-11042013000300011 >. Acessado em 15 jun.2017.
GARCIA, L.P.; FREITAS, L.R.S.D. Consumo abusivo de álcool no Brasil: resultados da Pesquisa Nacional de Saúde 2013. Epidemiol. Serv. Saúde. v.24, n.2, p. 227-237, 2015. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.5123/S1679-49742015000200005>. Acessado em 16 jun.2017.
GARCIA, C.deL. et al. Health of sexual minorities in north-eastern Brazil: representations, behaviours and obstacles. J. Hum. Growth Dev. [online], vol.26, n.1, pp. 95-100, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.110985. >. Acessado em 14 jun.2017.
GIBLON, R.; BAUER, G.R. Health care availability, quality, and unmet need: a comparison of transgender and cisgender residents of Ontario, Canada. BMC Health Services Research. Vol.17, p.1-10, 2017. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1186/s12913-017-2226-z.>. Acessado em 13 jun.2017.
GIONGO, C.R. et al. Travestis e Transexuais Profissionais do Sexo: Implicações da Psicologia. Revista Ciência e Profissão. v.32, n.4, p. 1000-1013, 2012. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1414-98932012000400017>. Acessado em 15 jun.2017.
JAFFER, M. et al. Improving Transgender Healthcare in the New York City Correctional System. LGBT Health, vol.3, n.2, p. 116-121, 2016. Disponível em:< https://doi.org/10.1089/lgbt.2015.0050>. Acessado em 16 jun.2017.

JESUS, J.G. Orientações sobre Identidade de gênero: conceitos e termos. EBOOK. Brasília: Protocolo EDA/DF 2012, n.366, p.24, 2012.

MARIN, G., SILBERMAN, M., MARTINEZ, S., AND SANGUINETTI, C. Healthcare program for sex workers: a public health priority. Int J Health Plann Mgmt, vol.30, n.3, p.276–284, 2015 Disponível em:< https://doi.org/10.1002/hpm.2234. >. Acessado em 13 jun.2017.

MELLO, L. et al.Políticas de saúde para lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais no Brasil: em busca de universalidade, integralidade e equidade. Revista Latino Americana: Sexualidad, Salud y Sociedad. n. 9, p. 7-28, 2011. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1984-64872011000400002 >. Acessado em 14 jun.2017.

MULLER, M.I.; KNAUTH, D.R. Desigualdades no SUS: o caso de atendimento às travestis é ‘babado’. Brasil: Cadernos EBAPE. v.6, n.2, p. 01-14, 2008. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1679-39512008000200002 >. Acessado em 17 jun.2017.

PETERS, M.M. They wrote “gay” on her file’: transgender Ugandans in HIV prevention and treatment. Culture, Health & Sexuality, vol.18, n.ss1, p-1-15, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1080/13691058.2015.1060359>. Acessado em 18 jun.2017.

PINTO, N.; MOLEIRO, C. As experiências dos cuidados de saúde de pessoas transexuais em Portugal: perspectivas de profissionais de saúde e utentes. Lisboa: Revista de Psicologia. v.26, p. 129- 151, 2012.

SAFER, J. et al. Barriers to healthcare for transgender individuals. Current Opinion in Endocrinology, Diabetes & Obesity. vol.23, n.2, p.168-171, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1097/MED.0000000000000227>. Acessado em 10 jun.2017.

SAMPAIO, L.L.P.; COELHO, M.T.Á.D. Transexualidade: aspectos psicológicos e novas demandas ao setor saúde. Revista Comunicação, Saúde, Educação. v.16, n.42, p. 637-649, 2012. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S1414-32832012000300005 >. Acessado em 11 jun.2017.

SANTOS, A.R.dos. et al . Implicações bioéticas no atendimento de saúde ao público LGBTT. Rev. Bioét., Brasília, v. 23, n. 2, p. 400-408, Aug. 2015. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/1983-80422015232078. >. Acessado em 14 jun.2017.
SAÚDE, MINISTÉRIO DA. Departamento de Apoio à Gestão Participativa, Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa. Saúde da população de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais. Rev. Saúde Pública [online]. v.42, n.3, p.570-573, 2008. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0034-89102008000300027 >. Acessado em 16 jun.2017.
SILVA, S.M. et al. Redução de Danos: estratégia de cuidado com populações vulneráveis na cidade de Santo André – SP. Revista Saúde e Sociedade. v.18, n.2, p.100-103, 2009. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902009000600018 >. Acessado em 18 jun.2017.
SILVA, G.W.dosS. et al . Situações de violência contra travestis e transexuais em um município do nordeste brasileiro. Rev. Gaúcha Enferm., Porto Alegre, v. 37, n. 2, e56407, 2016. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/1983-1447.2016.02.56407.>. Acessado em 17 jun.2017.
SOUSA, J.A. Travestis e transexuais no universo das pesquisas científicas. Bagoas-Estudos gays: gêneros e sexualidades, vol. 10, n. 15, 2016.

SOUZA, M.H.T.de; MALVASI, P.; SIGNORELLI, M.C; PEREIRA, P.P.G. Violência e sofrimento social no itinerário de travestis de Santa Maria, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública [online], vol.31, n.4, pp.767-776, 2015. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/0102-311X00077514. >. Acessado em 19 jun.2017.

SOUZA, M.H.T.; SIGNORELLI, M.C.; COVIELLO, D.M.; PEREIRA, P.P.G. Itinerários terapêuticos de travestis da região central do Rio Grande do Sul, Brasil. Revista de Ciência & Saúde Coletiva. v.19, n.7, p. 2277-2286, 2014. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232014197.10852013 >. Acessado em 17 jun.2017.

SOUSA, M.R., RIBEIRO, A.L. Revisão sistemática e meta-análise de estudos de diagnóstico e prognóstico: um tutorial. Arq Bras Cardiol. v.92, n.3, p.241-51, 2009. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0066-782X2009000300013 >. Acessado em 11 jun.2017.
VILLAMIL, M.M.L. et al. Narrativas de travestis sobre su vivencia con el VIH/Sida. Revista Invest Educação Enfermagem. v.47, n.4, p. 353-362, 2011. Disponível em:< http://dx.doi.org/10.1590/S0080-623420130000400019 >. Acessado em 10 jun.2017.
Publicado
2019-02-11
Como Citar
NASCIMENTO, Hosana Maria do; SOUSA, Junior Araujo; BARROS, Claudia Renata dos Santos. O atendimento em saúde a travestis e transexuais: revisão sistemática de literatura (2008-2017). Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 04, p. 40-58, feb. 2019. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://www.revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/147>. Acesso em: 22 sep. 2019.
Seção
Artigos