Gênero e Raça: intersecções, movimentos sociais e o enfrentamento à violência

  • Karoline Soares Chaves Universidade Federal do Tocantins

Resumo

O objetivo deste artigo é estabelecer uma relação entre o conceito de gênero enquanto categoria de análise com o corpus teórico do que delimitamos como feminismo negro. Para tal é necessário expor os limites e possibilidades do gênero como categoria segundo Joan Scott, assim como apresentar autoras que observaram as necessidades do feminismo interseccionar-se com o debate sobre as questões da raça. É no bojo deste debate que verificamos as ações de enfrentamento à violência promovidas pelos movimentos sociais organizados, a saber e em especial a Marcha das Mulheres Negras. O fluxo de nossa análise se guia em três momentos distintos: compreender de modo genealógico o gênero como categoria de análise; os debates sobre identidade e negritude a partir de leituras feministas e o relato crítico do movimento de formação da Marcha de Mulheres Negras.

##submission.authorBiography##

##submission.authorWithAffiliation##
Professora Convidada do Curso de Direito da UFT Mestre em Desenvolvimento Regional - Universidade Federal do Tocantins Especialista em Estudos Latino americanos - Universidade Federal de Juiz de Fora Graduada em Direito - Universidade Federal do Mato Grosso

Referências

BAIRROS, Luiza. Lembrando Lélia Gonzalez. In: WERNECK, Jurema; MENDONÇA, Maisa e WHITE, Evelyn C. O livro da saúde das mulheres negras – nossos passos vem de longe. Rio de Janeiro, Criola/Pallas, 2000.
CARNEIRO, Sueli. Me ensinaram a ser mais branca do que negra... Jornal Mulherio, ano IV, n. 18. 1984
______. Mulheres em Movimento. In: Estudos Avançados v. 17 n. 49, 2003. Disponível em: . Acesso em 14 Abr. 2016.
______. Enegrecer o feminismo a situação da mulher na américa latina. 2011 Disponível em: . Acesso em: 15 Abr. 2016.
BERNARDINO-COSTA, Joaze. Decolonialidade e interseccionalidade emancipadora: a organização política das trabalhadoras domésticas no Brasil. Soc. estado, Brasília, v. 30, n. 1, p. 147-163, Apr. 2015. Disponível em: . Acesso em 21 ago . 2017. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69922015000100009.
CRENSHAW, Kimberlé. Documento para o encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, v.10, n.1, p.171-188. 2002.
FRASER, Nancy. A luta pelas necessidades: Esboço de uma teoria crítica socialista-feminista da cultura política do capitalismo tardio. Debate Feminista. Cidadania e Feminismo. São Paulo/México: Edição Especial em Português, 2000.
FRIEDAN, Betty. Mística Feminina, Editora Vozes Limitada, Petrópolis, Rio de Janeiro, 1971.
GOES, Emanuelle. Mulheres Negras em Marcha, esses passos vem de longe. Disponível em: . Acesso em 04 de abr de 2016.
GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na cultura brasileira, In: Revista Ciências Sociais Hoje, Anpocs, 1984, p. 223-244.
GONZALEZ, Lélia (1988). A categoria político-cultural de amefricanidade. Tempo Brasileiro, n. 92/93: 69-82.
MACHADO, Helena Vitória dos Santos. O processo de adesão aos 36 anos do Movimento Negro Unificado. jun 2014. Disponível em: . Acesso em: 19 mar. 2016.
MOREIRA, Núbia. O feminismo negro brasileiro: um estudo do movimento de mulheres negras no Rio de Janeiro e São Paulo. Dissertação de Mestrado. Universidade de Campinas, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas. Campinas, São Paulo, 2007.
RUFFATO, Luiz. Mas há racismo no Brasil? Texto eletrônico. Disponível em: 24/11/2016. Acesso em: 05 mai. 2018
SANTOS, Milton. Cidadania mutilada. In: O preconceito. Julio Lerner editor. São Paulo; Imprensa Oficial do Estado, 1996/1997.
SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2, jul/dez, pp. 71-99,1995.
WAISELFISZ, J. J. Mapa da Violência 2012. Os novos padrões da violência homicida no Brasil. São Paulo, Instituto Sangari, 2011.
______. Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil. Brasília, Faculdade Latino-Americana de Ciências Sociais - Flacso, 2015.
Publicado
2018-10-22
Como Citar
CHAVES, Karoline Soares. Gênero e Raça: intersecções, movimentos sociais e o enfrentamento à violência. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 03, p. 21-33, oct. 2018. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://www.revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/155>. Acesso em: 26 apr. 2019.
Seção
Artigos