Transfake e a busca pela verdade na representação de travestis e pessoas trans

  • Sofia Ricardo Favero UFRGS
  • João Gabriel Maracci UFRGS

Resumo

O presente artigo discute o modo que os ativismos trans têm criticado a interpretação de atores e atrizes cis que representam papéis sobre transexualidade em produções cênicas. A essas atuações são dadas o título de transfake, em uma tentativa de reescrever os efeitos do blackface na população trans. Diante disso, buscou-se questionar o modo que a expressão fake estaria, em oposição, mantendo um regime de verdade em relação ao gênero, prática comum na história da nosologia psiquiátrica, mas que pode ser encontrada em determinadas condutas ativistas atuais. Nesse sentido, as disputas pela representação têm aparecido como um meio de impedir a relativização da transexualidade, pois, embora objetivem promover o reconhecimento político das pessoas trans, também presumem determinada correspondência entre aquilo que se é e aquilo se faz. Considera-se, portanto, que existem riscos envolvidos na defesa de uma estabilidade identitária, por meio da censura e técnicas proibitivas, além dos riscos de promover um engessamento das possibilidades de representar a vida.

Biografia do Autor

##submission.authorWithAffiliation##
Psicóloga pela Associação de Ensino e Cultura/Faculdade Pio Décimo (SE). Integrante da Comissão Científica (CCAT) do Ambulatório de Cuidado Integral à Saúde da Pessoa Trans (UFS). Participa da Associação e Movimento Sergipano de Transexuais e Travestis (AMOSERTRANS). Mestranda em Psicologia Social e Institucional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). 
##submission.authorWithAffiliation##
Mestrando pelo Programa de Pós-Graduação Psicologia Social e Institucional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Graduado em Psicologia pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

Referências

AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders - DSM-III. 3th.ed. Arlington: APA, 1980.
______. Diagnostic and Statistical Manual of Mental disorders - DSM-5. 5th.ed. Washington: APA, 2013.
BENJAMIN, Harry. The Transsexual Phenomenon. New York: Julian Press, 1966.
BRASIL, Ministério da Saúde. Portaria nº 1.707/GM, de 18 de agosto de 2008. Institui, no âmbito do SUS, o Processo Transexualizador, a ser implantado nas unidades federadas, respeitadas as competências das três esferas de gestão. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 19 de agosto de 2008. Disponível em: . Acesso em: 07 de ago. de 2018.
BUTLER, Judith. Corpos que Pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes (Org.). O corpo Educado: Pedagogias da Sexualidade, pp. 110-125. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.
______. Lenguaje, Poder e Identidad. Madrid: Síntesis, 2009.
______. A vida psíquica do poder: teorias da sujeição. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.
______. Problemas de gênero: feminismo e subversão de identidade. 8 ed. Tradução de Renato Aguiar. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.
______. Corpos em Aliança e a Política das Ruas. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.
CARVALHO, Renata. “Representatividade Trans Já - Diga Não ao Trans Fake”. Agência Aids, 2018. Disponível em: . Acesso em: 24 de jul. de 2018.
FOUCAULT, Michel. “Technologies of the self”. In: Dits et écrits, pp. 783-813. Paris: Gallimard, Vol. IV, 1994.
______. A verdade e as formas jurídicas. Rio de Janeiro: Nau, 1999.
______. O que é a crítica? Cadernos da F. F. C. Org. F. Biroli, M. C. Alvarez, Unesp-Marília-Publicações, v.9, n.1, p.169-89, 2000.
JESUS, Jaqueline. Homofobia: identificar e prevenir. 1 ed. Rio de Janeiro: Metanoia, 2015.
LEITE Jr, Jorge. Nossos corpos também mudam: a invenção das categorias "travesti" e "transexual" no discurso científico. São Paulo: Annablume, 2011.
MISKOLCI, Richard; PELUCIO, Larissa. Gênero, sexualidades e mídias contemporâneas: do pessoal ao político. Rev. Estud. Fem., Florianópolis, v. 25, n. 1, p. 263-268, Apr. 2017.
MONEY, John e TUCKER, Patricia. Os papéis sexuais. São Paulo, Brasiliense, 1981.
NUNES, Charô. "Blackface? Yes we can!". Blogueiras Negras, 2013. Disponível em: . Acesso em: 24 de jul. de 2018.
Organização Mundial da Saúde. Manual de classificação internacional de doenças, lesões e causas de óbitos - CID 09, 1975. São Paulo: Centro da OMS, 1978.
______. Classificação dos transtornos mentais e de comportamento - CID 10. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 1993.
PRECIADO, Paul. Manifesto contrassexual. São Paulo: n-1 edições, 2014.
RIBEIRO, Djamila. “Mulher negra não é fantasia de carnaval”. Carta Capital, 2015. Disponível em: . Acesso em: 24 de jul. de 2018.
RUBIN, Gayle. O tráfico de mulheres: notas sobre uma economia política do sexo. Recife, SOS, 1993.
STOLLER, Robert. A experiência transexual. Rio de Janeiro: Imago, 1982.
Publicado
2019-02-11
Como Citar
FAVERO, Sofia Ricardo; MARACCI, João Gabriel. Transfake e a busca pela verdade na representação de travestis e pessoas trans. Rebeh - Revista Brasileira de Estudos da Homocultura, [S.l.], v. 1, n. 04, p. 18-39, feb. 2019. ISSN 2595-3206. Disponível em: <http://www.revistas.unilab.edu.br/index.php/rebeh/article/view/158>. Acesso em: 23 may 2019.
Seção
Artigos